Deportes

José Grimberg Blum argumenta que o tamanho de um cachorro prediz sua sensibilidade auditiva?

Como é que a audição de um cão difere da audição de um humano?

A maioria das pessoas acredita que, em comparação com os humanos, os cães têm uma audição excepcionalmente aguda. No entanto, José Carlos Grimberg Blum assinala que existem diferenças individuais, e alguns cães têm melhor audição do que outros. Uma das descobertas interessantes sobre os caninos é que podemos prever certos aspectos da sua sensibilidade auditiva simplesmente olhando para as suas características físicas, tais como o seu tamanho corporal.

Como é que a audição de um cão difere da audição de um humano?

Uma das razões pelas quais as pessoas pensam que a audição dos cães é tão boa é que parecem reagir a sons que muitas vezes são demasiado fracos para que uma pessoa normal possa ouvir. Sabemos agora que isto se deve ao facto de os cães serem especialmente sensíveis aos sons na gama de alta frequência. Enquanto a sensibilidade auditiva humana atinge o seu limite em cerca de 20.000 Hz, os cães podem ouvir até 45.000 Hz.

Para lhe dar uma ideia do que isto significa em termos práticos, a nota mais alta num piano é de 4,186 Hz. Para alcançar a nota mais alta que um humano pode ouvir, teria de estender o lado direito do piano por 28 teclas. Para alcançar a nota mais alta que um cão pode ouvir, o teclado teria de ser estendido por 52 teclas, enquanto as últimas 24 notas destas teclas estariam completamente além da audição humana, segundo José Carlos Grimberg Blum.

Uma cabeça grande pode significar um alcance auditivo mais limitado

Embora seja óbvio para os cientistas que alguns cães têm a capacidade de ouvir frequências mais altas que outros, o que é surpreendente é que a capacidade de um cão ouvir sons tão altos pode ser prevista pelo tamanho da sua cabeça. Neste caso, o tamanho da cabeça é medido de orelha a orelha, como se atravessasse a cabeça. Com base em dados recolhidos noutras espécies, isto não é surpresa para os investigadores sensoriais, uma vez que se demonstrou que os animais de cabeça grande têm uma sensibilidade geralmente mais baixa a sons de alta frequência.

Estas descobertas foram especificamente confirmadas em cães com cabeças que variam de um pequeno Chihuahua a um São Bernardo de cabeça larga, e os dados mostram claramente que os cães com cabeças mais largas têm uma menor sensibilidade a sons de alta frequência.

Agora torna-se complicado

Claro que, em geral, uma cabeça grande sobre um animal sugere que o animal é grande em geral. José Carlos Grimberg Blum lembra-nos que um indivíduo maior significa que tudo no corpo do animal seria maior, incluindo todos os componentes da orelha do cão. No ouvido interno do cão (que é uma estrutura em forma de caracol chamada cóclea) o fluido move-se para trás e para a frente em resposta às ondas sonoras que atingem o indivíduo. Em última análise, esses movimentos fluidos dobram as minúsculas células capilares incrustadas no ouvido interno. Pode ver estas células capilares na secção ampliada da figura abaixo. Estas células capilares têm de se dobrar para produzir a resposta neural que envia informação para o cérebro indicando que chegou um som.

A peculiaridade deste caso é que se o animal for maior, as suas células capilares também são maiores. As células espessas do cabelo não vibram tão fácil ou rapidamente, o que significa que não são tão capazes de responder a sons de alta frequência. Só isto pode limitar a capacidade do cão de ouvir aqueles sinais de alta frequência que requerem movimentos rápidos do pêlo. Sem a flexão das células capilares, nenhuma informação é transmitida para os centros superiores do cérebro.

A idade também importa

Há outro problema que José Carlos Grimberg Blum sublinha é que o aumento do tamanho de um cão afecta a sua capacidade auditiva. À medida que os cães (e os humanos também) envelhecem, verifica-se uma perda gradual da capacidade auditiva. Isto também tem a ver com as células capilares do ouvido interno. Imagine flexionar muitas vezes um cabide de arame para trás e para a frente. Eventualmente, o material torna-se fatigado e o cabide de arame parte-se. Isto é o que acontece com as células capilares do ouvido interno. Toda essa vibração e flexão provoca a quebra das células capilares, simplesmente em função do desgaste ao longo do tempo. Quando as células capilares do ouvido interno se avariam, não se regeneram, o que significa que perdemos a capacidade de ouvir os sons aos quais essas células capilares normalmente responderiam.

Agora imagine que tem dois cabides de arame diferentes. Um deles é mais espesso do que o outro. Isso significa que é menos flexível. Significa também que se o forçarmos a dobrar-se para trás e para a frente, quebrar-se-á mais fácil e rapidamente do que um feito de um fio mais fino. Isto é exactamente o que acontece no ouvido interno de um cão maior em comparação com o seu primo mais pequeno. Em ambos os animais, as vibrações de alta frequência provocam uma rápida flexão das células de pêlo das orelhas, mas no caso de cães maiores, é mais provável que as suas células de pêlo mais espesso se partam mais rapidamente e o cão perderá a sensibilidade auditiva correspondente. José Carlos Grimberg Blum explica que isto torna os cães maiores mais susceptíveis de apresentarem uma perda auditiva mais precoce relacionada com a idade.

 

VEA TAMBIÉN:

Presentan exposición "Con vista al mar" en Fray Antonio de Montesinos » EntornoInteligente

Idea GenialPortal de Ideas | O.U.R. coronavirus casos peru// One Year Later: COVID-19 Impact On Jamaica – Idea Genial