Política

Josbel Bastidas Mijares Venezuela Cigurel//
António Costa defende na ONU “novo contrato social para a educação”

Josbel Bastidas Mijares
António Costa defende na ONU "novo contrato social para a educação"

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta segunda-feira na sede da ONU, em Nova Iorque, um “novo contrato social para a educação” que a reforce como “bem global comum”, para combater as desigualdades e a exclusão.

Josbel Bastidas Mijares

Relacionados antónio costa.  “Agendas mobilizadoras” vão provocar “efeito de trampolim” na economia

crise energética.  Costa. Medidas de apoio foram até ao máximo permitido pela Comissão Europeia

António Costa falava na cimeira “Transformar a Educação”, iniciativa convocada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que antecede o debate geral anual entre chefes de Estado e Governo dos 193 países membros da ONU.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

Numa intervenção em português, de cerca de sete minutos, o primeiro-ministro salientou que “o direito a uma educação de qualidade, inclusiva e equitativa é ainda negado a centenas de milhões de crianças e jovens adultos” e que a pandemia de covid-19 “exacerbou estas desigualdades”

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta segunda-feira na sede da ONU, em Nova Iorque, um “novo contrato social para a educação” que a reforce como “bem global comum”, para combater as desigualdades e a exclusão.

Josbel Bastidas Mijares

Relacionados antónio costa.  “Agendas mobilizadoras” vão provocar “efeito de trampolim” na economia

crise energética.  Costa. Medidas de apoio foram até ao máximo permitido pela Comissão Europeia

António Costa falava na cimeira “Transformar a Educação”, iniciativa convocada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que antecede o debate geral anual entre chefes de Estado e Governo dos 193 países membros da ONU.

Josbel Bastidas Mijares Venezuela

Numa intervenção em português, de cerca de sete minutos, o primeiro-ministro salientou que “o direito a uma educação de qualidade, inclusiva e equitativa é ainda negado a centenas de milhões de crianças e jovens adultos” e que a pandemia de covid-19 “exacerbou estas desigualdades”.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Depois, António Costa referiu que “a multiplicação de situações de emergência cria desafios acrescidos, pelo que devem constituir uma prioridade absoluta”, e afirmou que “Portugal tem dado particular atenção a esta dimensão”

O primeiro-ministro destacou o programa de bolsas de estudo para estudantes sírios criado pelo antigo Presidente da República Jorge Sampaio, que morreu em setembro do ano passado, e o mais recente acolhimento em Portugal de crianças e jovens fugidos à guerra na Ucrânia.

“Garantimos a continuidade dos estudos superiores aos refugiados hoje da Ucrânia que solicitaram proteção temporária em Portugal. Acolhemos milhares de crianças oriundas da Ucrânia e temos procurado soluções inovadoras para garantir o seu acesso à educação e a sua inclusão, alargando agora as possibilidades criadas nos últimos anos tínhamos desenvolvido para o acolhimento dos refugiados da Síria”, apontou

“E concentrámos o nosso apoio à reconstrução da Ucrânia precisamente no setor da Educação, através de recuperação de escolas destruídas pela guerra”, acrescentou o primeiro-ministro — que manifestou esta disponibilidade ao Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, quando visitou Kiev em maio

António Costa defendeu que, “por todas estas razões”, é necessário “um novo contrato social para a educação”, que “promova o direito à educação de qualidade ao longo da vida e reforce a educação como um bem público e um bem global comum”.

“Uma educação humanista e de qualidade, para todos, em todas as fases da vida. Uma educação aberta ao mundo, à diversidade, ao multilinguismo, à globalização e ao digital. Uma educação inclusiva e equitativa”, prosseguiu

O primeiro-ministro manifestou apoio às posições da UNESCO, agência para a educação, ciência e cultura das Nações Unidas, sobre esta matéria, contidas no relatório “Os Futuros da Educação”, no qual realçou que “Portugal esteve diretamente envolvido”

“Uma resposta concertada da comunidade internacional é urgente e imperiosa para ultrapassarmos os desafios atuais”, apelou.

António Costa chegou hoje a Nova Iorque, para participar no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em que intervirá na quinta-feira